Engenharia Genetica

quinta-feira, maio 18, 2006

Vírus modificado faz que as células cancerígenas se consumam a si próprias


Cientistas norte americanos criaram um vírus que infecta as células de um tipo comum do cérebro nos ratinhos e as induz a autofagia, de acordo com o que indica um estudo recentemente divulgado pelo Instituto Nacional do Cancro. Segundo investigadores do Centro Oncológico do Texas, trata-se de um adenovirus modificado que ataca as células malignas e as leva a devorarem-se a si próprias, o que reduz o tamanho do tumor e prolonga a sobrevivência.
Este vírus tem como alvo a telomerase, de uma enzima que se encontra em 80% dos temores cerebrais, afirmou Seiji kondo, professor auxiliar do Departamento de Neurocirurgia daquele centro oncológico. Uma vez que o vírus entra na célula, precisa da telomerase para se multiplicar. O tecido normal do cérebro não tem telomerase e, portanto, o vírus só se multiplica nas células cancerosas, explicou o investigador ao “ Journal of the National Câncer Institute”.
Segundo os cientistas, o adenovirus modificado poderá ser importante na luta contra outros tipos de cancro, como os do colo do útero e o da prostata que são “ telomerase positivos “. Alem de ter descoberto o potencial terapêutico do vírus, a equipa cientifica também determinou o mecanismo pelo qual os adenovirus infectam e matam as células cancerosas, disse Kondo.
Nas experiências realizadas com adenovirus em roedores, os investigadores determinaram uma redução dos tumores em roedores de 200 milímetros cúbicos para uma media de 39 milímetros.
Por outro lado, os ratinhos com três injecções do potencial terapêutico do vírus tiveram uma sobrevivência media de 53 dias, enquanto que os que receberam um vírus de controle viveram em media 29 dias. Alem disso, dois dos ratinhos tratados com adenovirus modificado sobreviveram mais de 60 dias e não registaram tumores cerebrais detectáveis, segundo o estudo.
Rita Oliveira